terça-feira, 31 de março de 2015

A importância de ler a Palavra de Deus


Um discípulo chegou para seu pastor e perguntou:
- Por que devemos ler e decorar a Bíblia se nos não conseguimos memorizar tudo e com o tempo acabamos esquecendo? Somos obrigados a constantemente decorar de novo o que já esquecemos.
O pastor não respondeu imediatamente. Ele ficou olhando para o horizonte por alguns minutos e depois pediu ao discípulo:
- Pegue aquele cesto de junco, o mais sujo, desça até o riacho, encha o cesto de água e traga até aqui.
O discípulo olhou para o cesto sujo e achou muito estranha a ordem do mestre, mas, mesmo assim, obedeceu. Pegou o cesto sujo, desceu os cem degraus de escadaria até o riacho, encheu o cesto de água e começou a subir de volta. Como o cesto era todo cheio de furos, a água foi escorrendo e quando retornou, já não restava nada.
 O pastor perguntou-lhe:- Então, meu filho, o que você aprendeu?
O discípulo olhou para o cesto vazio e disse com ironia: - Aprendi que cesto de junco não segura água.
O pastor ordenou-lhe que repetisse o processo de novo.
Quando o discípulo voltou com o cesto vazio novamente, o pastor perguntou-lhe:- Então, meu filho, e agora, o que você aprendeu?
O discípulo novamente respondeu com sarcasmo:- Que cesto furado não segura água.
O pastor, então, continuou ordenando que o discípulo repetisse a tarefa. Depois da décima vez, o discípulo estava desesperadamente exausto de tanto descer e subir as escadarias. Porém, quando o pastor lhe perguntou de novo:- Então, meu filho, o que você aprendeu?
O discípulo, olhando para dentro do cesto, percebeu admirado:- O cesto está limpo! Apesar de não segurar a água, a repetição constante de encher o cesto acabou por lavá-lo e deixá-lo limpo.
O mestre, por fim, concluiu:

- Não importa que você não consiga decorar todas as passagens da Bíblia que você lê, o que importa na verdade, é que através deste processo a sua mente e a sua vida ficam limpos diante de Deus.
Já leu a Bíblia hoje? Não deixe de ler.

sábado, 17 de maio de 2014

Família - o ideal de Deus para o ser humano


Foto: João Marcos Lima
            É muito oportuno o tema escolhido pela Convenção Batista Brasileira e colocado também em pratica pela Associação Batista Litorânea Fluminense com esse congresso da família. Principalmente em vista aos acontecimentos dos dias atuais, quando vemos  tramitando leis no Congresso Nacional contrarias ao que se entende por família, quando o Supremo  legisla para uma minoria trazendo leis que mexem com conceitos existentes há séculos, quando o Ministério da Educação, com recurso suado dos trabalhadores brasileiro lança o chamado kit gay e com a televisão propagando com todo poder o fim da era da família chamada por eles de tradicional e  ultrapassada.
            Por tudo isso, o tema "Família, o ideal de Deus para o ser humano" é amplamente atual e relevante.
            Josué diz que "Eu e minha casa serviremos ao Senhor", mostrando a convicção que a sua família pertencia a um ideal bem maior do que o que o mundo secular e que jaz no maligno nos oferece. somos parte, como Família de um projeto, de um sonho, de uma realização de Deus para a humanidade. Vejamos:

1. FAMÍLIA, o ideal de Deus para que o ser humano estivesse em plena parceria com Ele (Gn.1.26 27)
- Deus é o criador de tudo e fez o homem e a mulher para que governassem este mundo com Ele
- Então, na minha família, não são os meus interesses que devem prevalecer, mas os interesses de Deus.

2. – FAMÍLIA, o ideal de Deus para que o ser humano compreenda a necessidade real de viver em comunidade familiar (Gn. 2.18)
-  É no ambiente familiar que o homem descobre a sua identidade, como ser de relação, de dialogo, de encontro, de comunhão e de amor.
-  "Não é bom que o homem esteja só..." estas palavras pronunciadas por Deus no inicio da historia humana está escrita no próprio coração de cada homem e de cada mulher e definem a sua força mais profunda: Junto, somos melhores.

3.  – FAMÍLIA, o ideal de Deus para que o ser humano (casal) veja um ao outro como um presente ofertado por Deus. (Gn 2.23)
- Deus olhou para o universo escuro e viu que precisava de luz, olhou pra terra e viu que precisava de florestas, pro mar e viu que precisava de peixe, pro homem e viu que precisava da mulher...de formar uma família.
- A família que você tem meu irmão é um presente de Deus pra você, e se é dEle então é uma bênção. 

4. – FAMÍLIA, o ideal de Deus para que o ser humano tenha um abrigo nas tempestades   
- Todos enfrentamos tempestades na vida porque a vida é difícil. Nós precisamos de um lugar de estabilidade, proteção e segurança.
- Mudanças, perdas, fracassos, rejeição sao tempestades que passamos pela vida. é o melhor abrigo é a família
- A família foi criado para significar segurança. Ela é um abrigo contra a tempestade. Lar é o lugar onde é seguro chorar.

5. – FAMÍLIA, o ideal de Deus para que o ser humano  tenha um centro de aprendizado para a vida
- A Bíblia diz que a família precisa ser um centro de aprendizado. Você aprende as habilidades básicas para a vida: Como andar, falar, comer, tomar banho, todas as habilidades básicas da vida você aprende no lar.
- E este deve ser o alvo para a sua família, que eles cresçam em quatro maneiras diferentes: intelectualmente, fisicamente, espiritualmente e socialmente.

6. – FAMÍLIA, o ideal de Deus para que o ser humano possa espalhar a semente da salvação.
Deus envia a família para ser um "centro de missões"
1.  O ministério da família começa com o ministério entre marido e esposa
2.  O ministério da família estende-se para o discipulado dos filhos. 
-  O discipulado de nossos filhos nos autoriza para ministrar para o mundo.
3.  O ministério da família visa alcançar o mundo
- Primeiro, a família prepara filhos para alcançarem o mundo. 
- Segundo, o exemplo da família chama a atenção do mundo

            Nestes dias de caos familiar, uma família feliz e razoavelmente bem-estruturada chama muita atenção.  "Por que sua família é diferente?" é uma pergunta que abre a porta para o evangelho (1 Pd 3:15).
            Creio que Deus ainda quer nos usar nesses tempos tão dificeis.  Mas para isso acontecer, a família terá que voltar às suas raízes e redescobrir sua razão de existir.


Pr. José das Neves


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Estudos em Efésos 1. 9 a 14


Salvos para o louvor de glória

9 e fez com que conhecêssemos o mistério da sua vontade, segundo a sua boa determinação, que nele propôs
FEZ COM QUE CONHECÊSSEMOS – Um Deus que se revela a nós.
MISTÉRIO -- indica algo que não foi claramente revelado antes, mas agora é esclarecido.
10 para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra,
DISPENSAÇÃO DA PLENITUDE DOS TEMPOS- A execução do Filho dos propósitos do Pai no tempo oportuno.
PLENITUDE DOS TEMPOS - assinala o auge dos tempos terrenos, o tempo (escatológico) de Cristo, no qual se revela, realiza e desdobra o mistério de Deus em Cristo.
CONVERGIR EM CRISTO TODAS AS COISAS – Congregar em Cristo – reunir em Cristo.
CÉUS... TERRA  - Indica a totalidade do universo e não simplesmente a igreja
11 nele também fomos feitos herança, predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o designio da sua vontade,
FEITOS HERANÇA-   Creio que uma das maiores benção do homem redimido em Cristo é quando ele se descobre como herança do Senhor.
PREDESTINADOS Aqui a Teologia se divide em duas correntes : A Calvinista, que trata a predestinação como aqueles que foram escolhidos ela soberania de Deus para serem salvos e a Arminiana, que  defende que a Salvação passa pelo livre arbítrio e entende que a predestinação passa pela presciência de Deus.
12 a fim de sermos para o louvor da sua glória, nós, os que antes havíamos esperado em Cristo.
MOTIVO DA NOSSA REDENÇÃO E CRIAÇÃO - existirmos "para o louvor da sua glória".
13 Nele também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e  nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa,
A PALAVRA DA VERDADE – O próprio texto explica como sendo o evangelho (as boas novas) da salvação.
SELO DO ESPÍRITO SANTO - somos guardados, protegidos (selados) pelo derramamento do Espírito (Promessa: Joel 2.28).
14 o qual é o garantia da nossa herança, para redenção da propriedade de Deus, para o louvor da sua glória.
O homem redimido em Cristo é herança, se torna propriedade do Senhor, para o glorificar.


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Afinal, o que está errado com a teologia da prosperidade?


Apesar de até o presente só ter melhorado a vida dos seus pregadores e fracassado em fazer o mesmo com a vida dos seus seguidores, a teologia da prosperidade continua a influenciar as igrejas evangélicas no Brasil.

Uma das razões pela qual os evangélicos têm dificuldade em perceber o que está errado com a teologia da prosperidade é que ela é diferente das heresias clássicas, aquelas defendidas pelos mórmons e "testemunhas de Jeová" sobre a pessoa de Cristo, por exemplo. A teologia da prosperidade é um tipo diferente de erro teológico. Ela não nega diretamente nenhuma das verdades fundamentais do Cristianismo. A questão é de ênfase. O problema não é o que a teologia da prosperidade diz, e sim o que ela não diz.  
  • Ela está certa quando diz que Deus tem prazer em abençoar seus filhos com bênçãos materiais, mas erra quando deixa de dizer que qualquer bênção vinda de Deus é graça e não um direito que nós temos e que podemos revindicar ou exigir dele. 
  • Ela acerta quando diz que podemos pedir a Deus bênçãos materiais, mas erra quando deixa de dizer que Deus tem o direito de negá-las quando achar por bem, sem que isto seja por falta de fé ou fidelidade de nossa parte.
  • Ela acerta quando diz que devemos sempre declarar e confessar de maneira positiva que Deus é bom, justo e poderoso para nos dar tudo o que precisamos, mas erra quando deixa de dizer que estas declarações positivas não têm poder algum em si mesmas para fazer com que Deus nos abençoe materialmente.
  • Ela acerta quando diz que devemos dar o dízimo e ofertas, mas erra quando deixa de dizer que isto não obriga Deus a pagá-los de volta.
  • Ela acerta quando diz que Deus faz milagres e multiplica o azeite da viúva, mas erra quando deixa de dizer que nem sempre Deus está disposto, em sua sabedoria insondável, a fazer milagres para atender nossas necessidades, e que na maioria das vezes ele quer nos abençoar materialmente através do nosso trabalho duro, honesto e constante.
  • Ela acerta quando identifica os poderes malignos e demônicos por detrás da opressão humana, mas erra quando deixa de identificar outros fatores como a corrupção, a desonestidade, a ganância, a mentira e a injustiça, os quais se combatem, não com expulsão de demônios, mas com ações concretas no âmbito social, político e econômico.
  • Ela acerta quando diz que Deus costuma recompensar a fidelidade mas erra quando deixa de dizer que por vezes Deus permite que os fiéis sofram muito aqui neste mundo. 
  • Ela está certa quando diz que podemos pedir e orar e buscar prosperidade, mas erra quando deixa de dizer que um não de Deus a estas orações não significa que Ele está irado conosco. 
  • Ela acerta quando cita textos da Bíblia que ensinam que Deus recompensa com bênçãos materiais aqueles que o amam, mas erra quando deixa de mostrar aquelas outras passagens que registram o sofrimento, pobreza, dor, prisão e angústia dos servos fiéis de Deus.
  • Ela acerta quando destaca a importância e o poder da fé, mas erra quando deixa de dizer que o critério final para as respostas positivas de oração não é a fé do homem mas a vontade soberana de Deus.
  • Ela acerta quando nos encoraja a buscar uma vida melhor, mas erra quando deixa de dizer que a pobreza não é sinal de infidelidade e nem a riqueza é sinal de aprovação da parte de Deus. 
  • Ela acerta quando nos encoraja a buscar a Deus, mas erra quando induz os crentes a buscá-lo em primeiro lugar por aquelas coisas que a Bíblia constantemente considera como secundárias, passageiras e provisórias, como bens materiais e saúde. 

A teologia da prosperidade, à semelhança da teologia da libertação e do movimento de batalha espiritual, identifica um ponto biblicamente correto, abstrai-o do contexto maior das Escrituras e o utiliza como lente para reler toda a revelação, excluindo todas aquelas passagens que não se encaixam. Ao final, o que temos é uma religião tão diferente do Cristianismo bíblico que dificilmente poderia ser considerada como tal. Estou com saudades da época em que falso mestre era aquele que batia no portão da nossa casa para oferecer um exemplar do livro de Mórmon ou da Torre de Vigia... 

Augustus Nicodemus Lopes

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Estudos em Efésios - 1. 3 a 8


Efésios 1.3-8

As bênçãos de Deus em Cristo, autor da nossa redenção

 3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo;
BENDITO Só Ele é bendito por essência.
NOS ABENÇOOU - Paulo escreve esta carta para afirma que a igreja de Cristo é um povo abençoado (amados, isso é muito importante compreender).
BÊNÇÃOSA fonte das bênçãos é Cristo, a sua natureza é espiritual e a sua esfera alcança as regiões celestiais. Ou seja: se já estamos com Cristo, já somos cidadãos celestiais.

4 como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;
ELEIÇÃO - fomos eleitos em Cristo, pelo Pai, antes da fundação do mundo.
Deus não nos escolheu por causa de nossa santidade, mas para sermos santos e irrepreensíveis
Deus não nos escolheu por causa de nossas boas obras, mas para as boas obras.
SANTOS Somos eleitos (escolhidos) para uma vida de santidade.
A palavra  grega “hagios” – santos-  traz a idéia de separado e diferente.
Deus escolheu o cristão para ser diferente dos homens – (sal e luz)
IRREPREENSÍVEISé a mesma palavra usada para a tradução de imaculado no Antigo Testamento. Sacrifício sem mancha. Temos que nos ofertar a Cristo com uma vida pura e santa.

 5 e nos predestinou para si mesmo, segundo a boa determinação de sua vontade, para sermos filhos adotivos de Jesus Cristo;
PREDESTINAÇÃOChamados para andarmos em comunhão com Ele. Para vivermos diante dEle. Para nos deleitarmos com Ele.
FILHOS ADOTIVOS – Sobre a lei romana, “Patria potestas” (poder do pai), o pai possuía poder absoluto sobre seus filhos. Podia vendê-los, escravizá-los ou até matá-los.
A adoção consiste em passar de um “Patria potestas” para outro. O filho ganha uma nova família, um novo nome e passa a ter direito a uma nova herança.
Deus nos escolheu para fazermos parte de sua família. Para sermos conforme a imagem do seu Filho. Deus nos chamou para sermos filhos amados.

6 para o louvor da glória da sua graça, que nos deu gratuitamente no Amado;
MOTIVO DA NOSSA REDENÇÃO - "louvor da glória da sua graça"
Jesus, por sua graça fez-nos aceitáveis a Deus – Não podemos fazer a nós mesmos aceitáveis.

7 Nele temos a redenção, o perdão dos nossos pecados pelo seu sangue, segundo a riqueza da sua graça
REDENÇÃO - Só Jesus é o Redentor, porque só ele derramou o seu sangue por nós.
O verbo redimir era usado para o resgate do prisioneiro de guerra ou escravo. Também traz a idéia da libertação de um homem de uma pena de morte merecida por crime praticado.
PERDÃO - o verbo perdoar quer dizer levar embora, apagar qualquer registro de acusação.
O perdão de Cristo é completo. Ele morreu par remover a culpa pelos nossos pecados.
O perdão que Cristo nos dá é imerecido, imediato e completo.
PECADOS -  O pecado separou o homem de Deus, do seu próximo, de si mesmo e até da natureza. Ele mata, desintegra e destrói todas as coisas.
SANGUE DE CRISTO -Este foi preço pago pela nossa redenção

 8 que ele fez multiplicar-se para conosco em toda a sabedoria e prudência.
Sua graça é derramada sobre nós em toda a Sabedoria e prudência
SABEDORIA – Sophia – é o conhecimento que olha para o coração das coisas, que as conhece tal como realmente são.  
PRUDÊNCIA - é a compreensão que leva ao agir corretamente

O cristão tem essa sabedoria e prudência porque Deus revela o mistério de sua vontade.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Estudo em Efésios - 1.1 e 2


Efésios 1.1-2

Prefácio e saudação


 1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos e fiéis em Cristo Jesus que estão em Éfeso:
PAULO – O autor desta carta, preso em Roma ao escreve-la. Conhecido também por Paulo de Tarso
APOSTOLADO DE PAULO - Paulo, repetidas vezes, no início de suas cartas, invoca o seu apostolado. Não por inspiração própria ou a convite da igreja, mas por vontade divina
AOS SANTOS E FIÉIS QUE ESTÃO EM ÉFESO São os destinatários da carta.  A epistola aos Efésios foi escrita para os crentes em Éfeso.
SANTOSA palavra santos não quer dizer pessoas que não pecam. Também não é referencia a pessoas canonizadas, mas a pessoas vivas separadas por Deus para viver uma vida diferente. Ninguém é santo por mérito pessoal, e sim por ter sido chamado por Deus para viver em santidade.
FIÉIS – São todos aqueles que  confiam no Senhor Jesus. Todo aquele que é fiel é santo e, por sua vez, todo santo é fiel.
ÉFESO – Cidade principal da Ásia Menor e maior metrópole da Ásia.  Era o centro do culto de Diana, deusa da fertilidade, cujo templo era considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo.. Paulo esteve por três anos nesta cidade e plantou uma igreja vibrante que influenciou toda região.

 2 Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.
GRAÇA E PAZA graça é a causa da salvação enquanto que a paz é o resultado dela.  Graça é raiz e paz é fruto . Essas bênçãos não são transmitidas pelo homem nem pela igreja, elas são divinas
GRAÇA – Bênçãos não merecidas. É Deus estendendo a mão ao homem pecador
PAZÉ mais do que ausência de tribulações e tormentas. A paz cristã independe das circunstâncias externas.